O evento terá as presenças da autora, Januária Cristina Alves, e do ilustrador, Berje.

 

O lançamento do livro Abecedário de Personagens do Folclore Brasileiro acontece dia 16, sábado, às 15h, na FLIM- Festa Literomusical do Parque Vicentina Aranha.

Seres que você conhece e outros de que nunca ouviu falar estão reunidos em uma das mais amplas pesquisas já realizadas sobre folclore nacional. Resultado de uma parceria da FTD Educação com as Edições Sesc São Paulo, o livro apresenta, de maneira original e consistente, um dos nossos mais importantes patrimônios imateriais.

Saci-Pererê, Lobisomem, Mula sem Cabeça, Boto, Bumba meu Boi. Dos fascinantes seres que habitam a imaginação dos brasileiros, estes são apenas alguns dos mais conhecidos. Em nossas matas, rios, mares e cidades habitam muitas outras personagens incríveis, para alegria dos amantes de boas histórias e da sabedoria presente na cultura popular.

Este Abecedário apresenta mais de 140 personagens, suas características físicas e psicológicas, origens e o enredo do qual fazem parte, além das obras de autores ou pesquisadores em que foram citadas. Figuras como o auspicioso Hipocampo, a selvagem Onça da Mão Torta, o monstruoso Arranca-Língua, a desafiadora Teiniaguá, o vingativo Poronominare, o perturbador Tutu, o feroz Anhangá, o perigoso Lucas da Feira e a horrível Pisadeira fazem parte deste projeto ousado e original, só tornado possível graças a uma rigorosa investigação bibliográfica. 

Januária Cristina Alves, jornalista, escritora e pesquisadora da cultura popular brasileira, reúne neste livro dois anos de intensa coleta de dados acerca dos mais relevantes personagens do folclore nacional, valendo-se de fontes de grandes folcloristas – Câmara Cascudo, Sílvio Romero, Simões Lopes Neto, José Ribeiro, Rossini Tavares de Lima, Lindolfo Gomes, Amadeu Amaral e Ricardo Azevedo, entre outros – e acrescentando novos tijolos a esse universo que está sempre em construção, no cotidiano do povo, em registro literário. A pesquisa inédita resultou numa obra que transcende restrições de faixas etárias.

A edição traz ainda o texto de orelha de Isaura Botelho, pesquisadora em políticas de cultura, que ressalta a importância da investigação do tema, nos lembrando de que o folclore trata de maneira simbólica da “articulação que os seres humanos fazem com os fatos do mundo, que lhes dão estabilidade. Neste sentido, não cabe a radical distinção entre o que é popular, erudito ou de massas, registros cujas fronteiras estão cada vez mais embaralhadas na sociedade contemporânea”.

No mergulho que resultou no Abecedário, a autora contou com a arte de Berje, responsável pelo desafio de dar rosto a seres que, em vários casos, nunca tinham recebido representação visual. Suas ilustrações ressaltam as características físicas dos seres, mas também seus traços de caráter ou os enredos dos quais fazem parte. Muitas vezes, um elemento da ilustração descortina detalhes não revelados pelo texto, criando um verdadeiro diálogo entre as linguagens. Letras e imagens se misturam aos cheiros, rumores e mistérios que apenas essas personagens são capazes de nos despertar.

Sobre a autora

Januária Cristina Alves é jornalista, especialista em Infoeducação e Mestre em Comunicação Social pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Já publicou mais de quarenta obras para crianças, jovens e adultos. Foi roteirista do programa infantil Bambalalão, da TV Cultura, e da Turma da Mônica, dos Estúdios Mauricio de Sousa. Colaborou com diversos jornais e revistas, escrevendo sobre educação, cultura e comportamento. Venceu o Prêmio Jabuti na categoria Didáticos/Paradidáticos, em 2014, com o livro Para ler e ver com olhos livres, publicado pela Editora Nova Fronteira, e, em 2016, como coordenadora editorial da obra Convivendo em grupo: almanaque de sobrevivência em sociedade, publicado pela Editora Moderna.

 

Sobre o ilustrador

Cezar Berger, o Berje, nasceu em 1990, em Guararema, interior do estado de São Paulo. Ainda estudante, envolveu-se com arte urbana e realismo fantástico, universos que o influenciam. A literatura também o inspira, em especial a de autores como o argentino Jorge Luis Borges, o norte-americano H. P. Lovecraft e o inglês China Miéville, que lhe incutiram o gosto por mitologia e seres fantásticos. Em seus desenhos, constrói um imaginário em que fantasia e signos se completam, formando criaturas que habitam universos surreais. Suas ilustrações figuram nos meios editorial, musical e da moda. Além de ilustrador, é designer gráfico e diretor de arte no estúdio IdeaFixa.

 

 

 

Letícia RZucco


Letícia Zucco, 21 anos, estudante de Letras - Português/Inglês blogueira e booktuber no Estante LZ. Ama livros e costuma gritar para todos os cantos que a leitura liberta.

Deixe seu comentário