Um marco da literatura francesa e mundial, “Les Misérables” de Vitor Hugo é uma obra prima que retrata a seu modo uma época cheia de mistérios, amores e revolução.

Na dica de leitura de hoje vocês vão verificar:

  • A história;
  • Os personagens;
  • Sobre a autora;
  • A opinião sobre a obra e
  • Comparação dos preços nas principais lojas de vendas.

De 1862, o livro retrata a trajetória de Jean Valjean, que após ser preso injustamente, se vê livre de suas punições braçais, porém com relação permanente com sua condicional. Após sofrer nas ruas, recebe acolhimento na casa de um bispo, o qual dá castiçais de prata, um voto de confiança e esperança para Jean recomeçar sua vida como um novo homem se livrando de seu passado.

Anos se passaram, seu passado foi apagado, mas ao encontrar Fantine, uma ex trabalhadora de sua fábrica em um estado deplorável de saúde após se prostituir para mandar dinheiro à sua filha, a qual ficava em uma estalagem com um casal de charlatões, Valjean se compromete a cuidar da filha de Fantine, a pequena Cosette e tratá-la como própria filha. Nesse ponto temos um enfoque maior de um personagem complexo, o policial Javert o qual perseguirá Jean e sua filha Cosette, pois descobre Valjean é na verdade o antigo prisioneiro fugido de sua condicional.

Título: Os miseráveis 
Autor(a): Victor Hugo
Editora: Martin Claret
Páginas: 1511

Classificação: 

14080987_1190501167678685_1623272702_n14080987_1190501167678685_1623272702_n14080987_1190501167678685_1623272702_n14080987_1190501167678685_1623272702_n14080987_1190501167678685_1623272702_n

 

 

Onde comprar: Americanas / Submarino

Uma história que também conta com críticas políticas e sociais da população francesa ainda em seu momento de fervor revolucionário, onde personagens como Marius e Enjolras mostram como um ideal deve ter sua chama sempre acesa. Também há presença da personagem Eponine, personagem envolta de paixão pelo rapaz revolucionário, vê seu amor escapar entre os dedos quando Cosette conhece o jovem Marius. A história une diversos fatos e enlaça momentos do passado, onde Eponine conviveu com Cosette quando pequena, pois é filha do casal dono da estalagem onde Fantine deixou sua filha.

No decorrer da história ainda vemos o desgaste e frustração do personagem Javert. Sua redenção se dá quando passa por sua “epifania” final e questionamentos como “quem sou eu?” tomam conta de toda uma cena dirigida pela forte dor do estar errado, em não ver a bondade nos outros e se sentir cego pelo seu ego.


Com um desfecho que exala os sentimentos mais fortes do ser humano, como o amor, a resistência e a própria libertação da alma, “Os miseráveis” é sem dúvida um livro para se sentir, amar e sempre trazer novas reflexões sobre a sociedade atual, reflexões sobre onde nos encaixamos: somos como Jean? Que se liberta de seus males, porém ainda é perseguido injustamente. Somos Javert? Que se julga dono da lei e da verdade, mas está cegado pela falta de empatia. Somos revolucionários como Enjolras e todos aqueles que lutavam por um ideal e não desistiram?

Além da obra literária, vale a pena prestigiar o musical que está em cartaz no teatro Renault em São Paulo e assistir a adaptação cinematográfica de 2012, indicada a 7 Oscars e vencedor de 3.

Victor Hugo (1802-1885) foi um poeta e dramaturgo francês. Autor dos romances, “Os Miseráveis”, “O Homem que Ri”, “O Corcunda de Notre-Dame”, “Cantos do Crepúsculo”, entre outras obras célebres.

 

Thais Colacio


Thais Colacio, 16 anos, estudante do 2°Ano do ensino médio. Desenho e biologia são as minhas paixões.

Deixe seu comentário